Castrol Rocket: Um foguete em duas rodas

Homem e máquina em perfeita harmonia, forçando os limites da velocidade. As pessoas viveram este sonho durante séculos e um novo ponto alto está mesmo à porta: em poucos dias, o fabricante de motociclos britânico Triumph irá preparar o seu ataque ao recorde de velocidade terrestre de motos com a Castrol Rocket.

A Triumph, sedeada em Coventry, deteve o recorde entre 1955 e 1970, antes de a marca inglesa icónica suspender temporariamente as suas atividades de quebra de recordes. A Suzuki detém atualmente o recorde mundial de 376,363 milhas por hora (605,697 km/h).

A Castrol Rocket vê agora a Castrol e a Triumph a conjugar forças numa espetacular tentativa de reestabelecer o seu legado de quebra de recordes, que remonta há décadas. Não só têm como objetivo bater o atual recorde mundial nos próximos dias, como também entrar na elusiva barreira das 400 mph (643,737 km/h).

O LOCAL

O local para esta tentativa de recorde é o deserto de sal de Bonneville, no estado norte-americano de Utah. É aqui que a equipa do projeto Castrol Rocket, incluindo o especialista em aerodinâmica Matt Markstaller, o fabricante de motores Bob Carpenter e o piloto Jason DiSalvo, terá duas oportunidades para fixar um novo recorde mundial: de 23 a 28 de agosto no Bonneville International Motorcycle Speed Trials e de 12 a 18 de setembro no Mike Cook Bonneville Shootout.

O deserto de sal no noroeste de Utah tem uma área superior a 100 km², embora o troço utilizado nas tentativas de recorde não seja mais do que uma reta assinalada por algumas bandeiras e cones. Para um recorde ser reconhecido oficialmente, é necessário completar um percurso com uma distância predefinida num sentido e, de seguida, um percurso de regresso em sentido oposto. Depois, é apurada a média desses dois percursos para determinar se a tentativa de recorde foi bem sucedida ou não.

A MÁQUINA

A Castrol Rocket tem como objetivo estabelecer o novo recorde mundial para a Castrol e a Triumph. Os números por detrás do modelo aerodinâmico feito à mão, que foi construído em 2013, são deveras impressionantes: os dois motores turbo Triumph Rocket III de 3 cilindros atrás do piloto fornecem mais de 1000 cv à roda traseira. Os dois motores de cilindros em linha têm uma cilindrada de 1485 c3. O desempenho máximo é atingido a um regime de motor de 9000 rpm.

Por que motivo o fabricante de motores Carpenter optou por dois motores? «Foi o que fez mais sentido. Um motor enorme iria muito provavelmente destruir as chumaceiras.  Com uma cilindrada inferior é possível obter RPMs mais altas com menos esforço dos motores», explica Carpenter.

Outro aspeto que convenceu o guru dos motores da Castrol Rocket a optar pela variante bimotor foi o fator peso. «O peso adicional de mais um motor acrescenta alguma tração que é difícil de obter sobre o sal», disse Carpenter. Jason DiSalvo, que irá pilotar o foguete de duas rodas, sabe-o bem: «A superfície de sal tem pouca tração. O vento sopra contra nós de todos os lados.» 

Com a forma de um avião sem asas, o quadro de carbono e Kevlar – o chamado monocoque – da Castrol Rocket tem um comprimento de 7,77 metros, uma largura de 61 centímetros e uma altura de 91 centímetros. O braço oscilante é feito de alumínio. Foram combinados amortecedores Öhlins com os pneus «Land Speed Special» especialmente desenvolvidos pela Goodyear para garantir que a mota tenha uma manobrabilidade perfeita no deserto de sal. O combustível é metanol – álcool, basicamente. O lubrificante do motor utilizado é o Castrol Power1 4T 10W40 totalmente sintético. São utilizados travões de disco em carbono e dois paraquedas para abrandar o foguete em duas rodas.

O PILOTO

O piloto profissional Jason DiSalvo, oriundo de Stafford no estado norte-americano de Nova Iorque, teve participações wildcard nos Campeonatos Mundiais de 125 c3, 250 c3 e Moto2 durante a sua carreira. Disputou a sua única corrida Moto2 em Indianapolis em 2010, terminado entre os dez primeiros lugares na primeira tentativa.

A principal atividade de DiSalvo é a série AMA Pro Road Racing na qual pilota uma Triumph Daytona. No entanto, o deserto de sal de Bonneville não é um terreno desconhecido para este piloto de 30 anos. Em 2012, fixou aqui um recorde de velocidade nacional. «A corrida de velocidade terrestre é a forma mais pura de desporto motorizado. Trata-se de juntar toda a criatividade, recursos e determinação para uma batalha constante contra os elementos», afirma DiSalvo, descrevendo o fascínio sentido por todos aqueles envolvidos em Bonneville por várias vezes.

O fabricante de motores para as corridas recordistas de DiSalvo em 2012 foi Bob Carpenter. Graças aos dois motores Triumph Rocket III desenvolvidos pela Carpenter Racing, e com a coragem de DiSalvo no banco, a esperança é grande de que a Castrol Rocket criada por Matt Markstaller irá agora bater o recorde mundial existente de 376,363 mph (605,697 km/h).
A CORRIDA DE VELOCIDADE TERRESTRE É A FORMA MAIS PURA DE DESPORTO MOTORIZADO. TRATA-SE DE JUNTAR TODA A CRIATIVIDADE, RECURSOS E DETERMINAÇÃO PARA UMA CONSTANTE BATALHA CONTRA OS ELEMENTOS.
JASON DISALVO, PILOTO DA CASTROL ROCKET.